Parto

Parto…

A poesia prevalece

A poesia prevalece

Primeiro senso é a fuga.

Bom na verdade é o medo,

dai entao a fuga.

Evoca-se na sombra uma iquietude,

uma alteridade disfarçada

inquilina de todos nossos risos.

A juventude plena e sem planos se esvai.

O parto ocorre.

parto-me

parto-me

parto-me

parto-me

Aborto certas convicções

a bordo deminios e munias

Flagelo-me

Exponho cicatrizes

E acordo os meus com muito mais cuidado, muito mais atenção

E a tensão que parecia nunca não passar,

o ser vil que passou para servir para disservir,

harmonizar o tom, movimento som toda a terra que devo do ar

todo o voto que devo parir não dever ao de vir,

nunca deixar de ouvir com outros olhos…

com outros olhos…com outros olhos…

(Teatro Mágico)

Nascemos! Deixa entrar, respira a cor do mundo…

Bem vindos de volta!


Anúncios